Imprimir
    PDF

    Decreto que endurece normas de combate à Covid-19 repercute em sessão

    Publicado em Notícias - Sessões

    O principal debate dos vereadores em Plenário nesta terça-feira (23) esteve relacionado ao Decreto 38.520/2020 da Prefeitura, que endureceu normas de combate à pandemia do novo coronavírus. Os vereadores debateram principalmente o isolamento domiciliar de idosos.

    O principal debate dos vereadores em Plenário nesta terça-feira (23) esteve relacionado ao Decreto 38.520/2020 da Prefeitura, que endureceu normas de combate à pandemia do novo coronavírus. Os vereadores debateram principalmente o isolamento domiciliar de idosos.

    O decreto obriga o uso de máscaras em ambientes públicos (o que inclui ruas e praças) e de uso comum (galerias comerciais, por exemplo). Bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos como esses passam a atender com limite em 50% da capacidade. Atividades físicas que envolvam contato estão suspensas, bem como a concentração ou permanência de pessoas em praças, parques e espaço de uso coletivo.

    Mas o tópico que provocou mais repercussão entre os vereadores foi a determinação de isolamento domiciliar para todas as pessoas com mais de 60 anos. Nesse sentido, há restrições à mobilidade que não sejam específicas para trabalho, compras de alimentos e remédios ou idas a consultas médicas. Em qualquer saída, os idosos devem portar documentos de identificação. Idosos que sejam encontrados fora dessas situações ou sem documento poderão ser acompanhados até suas residências para identificação.

    O vereador Rodrigo Fachini (PSDB) entende que houve uma “falta de sensibilidade” no decreto ao limitar a mobilidade. Para o parlamentar, neste momento, a maior urgência é realizar exames em pessoas que trabalham na linha de frente e recordou moção em que apela à Prefeitura para que motoristas de aplicativo e entregadores sejam incluídos como prioritários nas políticas de testagem.

    Por outro lado, o líder do governo na CVJ, o vereador Richard Harrison (MDB), defendeu o decreto, explicando que a medida busca preservar os idosos porque, dentre os 29 óbitos registrados por Covid-19 em Joinville até o dia 23, 24 foram de pessoas com mais de 60 anos. Cinco das vítimas tinham menos de 60 anos.

    Os vereadores Pelé e Roque Mattei (ambos do MDB) também defenderam o decreto observando que é preciso cuidado por conta do aumento da taxa de ocupação dos leitos de UTI destinados ao tratamento de Covid-19. O número divulgado pela Prefeitura durante a sessão indica que essa taxa está em 69%.

    Relator da comissão especial do Covid-19, o vereador Fabio Dalonso (PSD) afirmou que quer sugerir alterações pontuais no decreto. Para o parlamentar, o decreto não deixa claro se pessoas com mais de 60 anos podem ir ou não a agências bancárias. Outra alteração sugerida por Dalonso seria na restrição de acesso ao Mirante. Para o vereador, atividades físicas no local devem ser permitidas, mediante orientação e fiscalização de guardas municipais.

    A próxima reunião da Comissão Especial está agendada para o dia 1º de julho, às 15h.

    Ana Rita Negrini Hermes (Cidadania) defendeu o decreto por entender que a população ainda não está respeitando as normas. Disse que ficou impressionada com ligações que recebeu de pessoas reclamando de vizinhos que estão fazendo aglomerações como festas. A parlamentar afirmou que “usar máscara não é bom, mas precisamos fazer enquanto não temos uma saída”.

    Jaime Evaristo (PSC) repassou os principais pontos do decreto e relembrou que Curitiba fez um movimento de recuar nas liberações de forma semelhante. Lá, o atendimento presencial em restaurantes, as academias, e os templos religiosos tiveram suas atividades fechadas.

    Reestruturação de acolhimento familiar

    O Plenário também aprovou um projeto de lei que reorganiza o texto legal do Serviço de Acolhimento Familiar, mais conhecido como programa Famílias Acolhedoras. Trata-se de um programa em que crianças afastadas de suas famílias naturais, extensa ou substitutas por razões judiciais ficam sob cuidados temporários de famílias inscritas no programa.

    O projeto de lei, de autoria do Poder Executivo, atualiza as regras do programa, criado em 2007 sob o nome de Famílias Protetoras. Em 2015 uma lei atualizou os nomes e nomenclaturas utilizadas.

    Caso você queira conhecer melhor o funcionamento do programa e se inscrever para, basta acessar esta página.

    O texto, que foi aprovado em primeira votação, recebeu uma emenda protocolada pelo vereador Richard Harrison (MDB) no início do mês com sugestões da Secretaria de Assistência Social para aperfeiçoar a redação do texto. A versão final do projeto ainda precisa passar por consolidação na Comissão de Legislação antes de uma segunda votação em Plenário para, após sanção do prefeito, se tornar lei.


    Portal da Transparência

    Você pode acompanhar toda a prestação de contas da Câmara de Vereadores de Joinville por meio dos menus ao lado. Para mais informações, com base na Lei de Acesso à Informação, utilize o e-mail.

    transparencia@cvj.sc.gov.br